Esse livro nasceu da dor e da esperança, da luta e da força, da tragédia arrebatadora e de achar que não havia outra opção. Uma pessoa morre por suicídio a cada 40 segundos no mundo, e a cada 3 segundos acontece uma tentativa. No Brasil temos uma média de 12 mil mortes por ano, o que equivale a um suicídio a cada 45 minutos no pais e entre 10 a 20 tentativas nesse período. Infelizmente esses números não param de crescer, principalmente entre os jovens.

Quase todas as pessoas conhecem alguém próximo ou distante que se matou, mas simplesmente… não falamos sobre isso! Por anos o tabu e o preconceito deixaram esse assunto excluído, como se ao não falar sobre o suicídio, ele deixasse de existir. Por décadas pessoas foram marginalizadas e julgadas. Mas isso tem mudado…

Você já parou para pensar o porque acha que um suicídio ocorre? Pois pense um pouco, e depois de descobrir, deixe de lado sua resposta e abra a cabeça e o coração para esse livro… aqui você lerá histórias verdadeiras, de pessoas sensíveis que tiveram a coragem de escrever e dividir com todos uma parte dolorosa e difícil de sua trajetória. Eles se inscreveram em um concurso literário sobre o suicídio e aqui estão os vencedores.

Para cada suicídio, incontáveis pessoas sofrem com um luto mais longo e intenso, carregam culpa e são vistas como aqueles que não conseguiram evitar essa tragédia. Que suas histórias mostrem é possível sobreviver ao tsunami e que elas não merecem ser julgadas e sim, acolhidas.

Espero que você perceba quanta vida tem nessas páginas e que o suicídio NUNCA ocorre por uma única causa ou por culpa de alguém, e que mais do que isso, reflita como você pode ajudar e fazer a diferença na sua vida, na vida de alguém ou na sociedade a partir do que leu aqui.

Que essas histórias te inspirem e mostrem que sempre há outra saída EM VIDA para os problemas e para a dor insuportável, e se você não está percebendo isso, é hora de buscar ajuda.

A obra que o leitor tem em mãos visa apresentar os principais cuidados e o manejo em situações-limite de adoecimento, suicídio e processo de luto, bem como reitera a visão de que, toda vez que falamos sobre a morte, precisamos também falar sobre a vida. Escrito por profissionais da saúde, este livro multidisciplinar atualiza os estudos sobre a morte, o morrer, a dor e o luto no Brasil. Destinado a psicólogos, médicos, assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais etc., aborda temas como: educação para a morte; espiritualidade, finitude humana, medicina e cuidados paliativos; morte com dignidade; necessidade da plena atenção na vida e na morte; Cuidados e intervenções para pacientes cardíacos; morte por aids, perdas e luto; cuidado integral e os desafios de conviver com a doença renal crônica; cuidados ao paciente oncológico; cuidados paliativos; intervenção na crise suicida; psicologia da gestão integral de riscos e desastres; quando a morte chega em casa: o luto e a saudade; pesquisas e práticas sobre luto no exterior e no brasil; luto não autorizado; suicídio e luto; as redes de apoio aos enlutados; a tanatologia na pós-graduação.

 Os autores: Ana Catarina Tavares Loureiro, Avimar Ferreira Junior, Daniel Neves Forte, Daniela Achette, Elaine Gomes dos Reis Alves, Elvira Maria Ventura Filipe, Emi Shimma, Elaine Marques Hojaij, Fernanda Cristina Marquetti, Gabriela Casellato, Gilberto Safra, Gláucia Rezende Tavares, Karina Okajima Fukumitsu, Leo Pessini, Marcello Ferretti Fanelli, Marcos Emanoel Pereira, Maria Carlota De Rezende Coelho, Maria Helena Pereira Franco, Maria Julia Kovács, Mayra Luciana Gagliani, Maria Luiza Faria Nassar de Oliveira, monja Coen Roshi, monja Heishin, Nely Aparecida Guernelli Nucci, Patrícia Carvalho Moreira, Pedro Morales Tolentino Leite, Protásio Lemos da Luz, Teresa Vera Gouvea.

A Bioética pode ser compreendida como ponte entre as Ciências da Saúde e as Ciências Humanas numa vertente multidisciplinar. O foco da reflexão bioética é o ser humano, e aí se estabelece a relação com a Psicologia. A interface desses dois campos do conhecimento se dá nos aspectos que apontam para um objetivo comum: a compreensão do humano em seus processos existenciais de vida e morte, em sua busca de autonomia, e na responsabilidade pessoal implicada na própria condição existencial. Os avanços do conhecimento científico abrem novas possibilidades ao ser humano, mas trazem diversos conflitos no que tange às relações humanas. A Psicologia, enquanto ciência da compreensão do ser humano e suas relações, traz questionamentos sobre diversos temas abrindo espaço para reflexão e debate. Temas tais como: vulnerabilidade; dignidade e autonomia; cuidado paliativo; luto antecipatório; luto da família; Diretivas Antecipadas de Vontade; adoecimento, espiritualidade, comunicação de más notícias; obstinação terapêutica; cuidado ao cuidador profissional e familiar; demência; idosos institucionalizados; autonomia de crianças e adolescentes; constituem-se como pontos importantes de reflexão para a prática de profissionais de saúde com ênfase na humanização dos cuidados, infelizmente relegada para segundo plano em várias instituições. As inter-relações entre a Bioética e a Psicologia são apresentadas de forma complementar e constituem as duas partes dessa obra: as relações interdisciplinares, abordadas na primeira parte, num conjunto de sete capítulos, e as questões intersubjetivas na segunda parte, com um conjunto de seis capítulos.

VIDA E MORTE LAÇOS DA EXISTENCIA- Os capítulos já são pequenas obras que se entrelaçam, pois as palavras vida e morte não podem ser vistas separadamente. Assim se constitui o ser humano. Este livro propõe um caminho de trocas e partilhamento de ideias

MORTE E DESENVOLVIMENTO HUMANO - A morte faz parte do desenvolvimento humano significando e ressignificando a vida. O tema da morte sempre desafiou, intimidou e também fascinou o ser humano em várias épocas e fases do seu desenvolvimento. A psicologia como ciência, arte, reflexão e prática cuida da questão do homem, da sua relação com os outros e com o mundo, com a vida e também com a morte. Atualmente, falar sobre esse tema ainda é um tabu, embora

EDUCAÇÃO PARA A MORTE - DESAFIO NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE E EDUCAÇÃO: Este livro é um estudo sobre a possibilidade do desenvolvimento pessoal de maneira mais integral, no sentindo entendido por Jung como individualização: o desenvolvimento interior que se propõe durante o existir.

Desenvolvimento que pressupõe uma preparação para a morte, que não precisa obrigatoriamente ser realizado no topo de uma montanha, como ermitãos, ou dentro de casa isolados, mas sim, no seio da sociedade da qual somos membros integrantes.

Frequentamos escolas por mais de 20 anos de nossa existência e assim nos preparamos para a vida social. Da mesma forma, devêramos também nos preparar, pelos mesmos 20 anos, para o fim da nossa existência em algum tipo de “escola”.

Essa educação envolve comunicação, relacionamentos, perdas, situações-limite nas quais reviravoltas podem ocorrer durante a vida: sobressaltos ou vicissitudes nas fases do desenvolvimento, perda de pessoas significativas, doenças, acidentes e até mesmo o confronto com a própria morte

 

EDUCAÇÃO PARA A MORTE - REFLEXÕES Adaptação da tese de livre docência da autora, discute a busca de sentido que a morte pode oferecer. É possível uma educação para a morte? Como nos preparar para fato tão presente? Reflete sobre dimensões históricas e teórico-conceituais, e pontos que nortearam sua trajetória pessoal-profissional. 




PROFISSIONAIS DE SAÚDE: VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS - Vivendo e convivendo com HIV/AIDS - Profissionais de saúde portadores de HIV/AIDS, depoentes e depoimentos, a doença (Formas de infecção/acidente, diagnóstico, orientação pós-diagnóstico, ser portador, tratamento - Sobre a participação em grupo terapêutico de profissionais de saúde portadores de HIV/AIDS), relações pessoais (discriminação, família/amigos, parceiros), relações profissionais (local de trabalho, local de atendimento profissional, médico que os atende, sugestões sobre o que fazer para o profissional portador, situação profissional, informar o paciente, autoconfiança no exercício profissional, biossegurança, ética na abordagem do paciente), experiências psicólogicas (medo, auto-estima, solidão, fé, a pesquisa, mensagens), AIDS e bioética, os conselhos de classe e a legislação, sob o olhar da psicologia.

Autores: Elaine Gomes dos Reis Alves e Dalton Luiz de Paula Ramos

ADOLESCENCIA: VIDA OU MORTE? - A série "Jovem Hoje" apresenta temas da vivência do adolescente, para que ele os compartilhe com seus amigos, professores, pais, familiares, namorado, namorada. Onde fica a fronteira entre o prazer, o desprazer, a vida, a morte? O que busca um adolescente que consome drogas, que cultua exageradamente o corpo, que arrisca a vida praticando esportes radicais? As psicólogas Ingrid Esslinger e Maria Júlia Kovács, autoras de Adolescência: vida ou morte?, mostram que os aspectos autodestrutivos - tão comuns entre os jovens - podem, se não cuidados, levar à morte. Falando de crescimento e sofrimento - e do limite nada claro entre o prazer e a morte -, este livro constrói pontes em lugares talvez nunca tão abertamente atravessados...''

DE QUEM É A VIDA AFINAL? - Embora as perdas sejam um tema universal, que a todos atinge, quando da sentença da perda maior, da morte (sempre mistério), somos lançados na mais profunda angústia. Neste livro a autora procura descortinar as angústias, dúvidas, anseios e condutas dos diversos personagens que compõem o cenário hospitalar, quando do anúncio da morte. Como esses personagens, de um palco no qual a morte é presença constante, se relacionam? Como é a comunicação desses personagens? A morte pode ser nomeada? O que significa "fazer tudo pelo paciente?" Que lugar esses personagens ocupam no ato final de um deles? Todas essas questões, para as quais a autora abre caminhos, levam a discussão maior sobre decisões no final da vida: a autora resgata a importância dos cuidados paliativos, da bioética,da dignidade no processo de morte, do luto antecipatório, enfim, da morte como parte natural e esperada da vida. Não como inimiga a ser combatida! De forma contundente e sensível, Ingrid Esslinger demonstra o sofrimento de todos esses "personagens", inclusive da equipe de saúde: a formação desses profissionais também é discutida nesta obra, ficando evidenciada a necessidade de um cuidado aos cuidadores profissionais, para que estes melhor possam cuidar!

Autor: Ingrid Esslinger 

FORMAÇÃO E ROMPIMENTO DE VÍNCULOS - Em um mundo em que ficar triste é considerado uma fraqueza e a morte é repudiada a qualquer custo, como o ser humano reage às diversas perdas que enfrenta ao longo da vida? De que forma os profissionais de saúde encaram a morte de seus pacientes? Como as crianças vivenciam a separação dos pais? Os maiores especialistas em luto do país respondem essas e outras questões no livro Formação e rompimento de vínculos - O dilema das perdas na atualidade. Na obra, são abordados problemas relacionados com a morte e o curso do luto, dificuldades decorrentes da separação de filhos e pais e da separação de parceiros em razão de divórcio. Organizado pela psicóloga Maria Helena Pereira Franco, fundadora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre o Luto, da PUC-SP, o livro trata também das questões da família, de resultados da violência urbana e doméstica e da formação do profissional para lidar com a morte, com base na realidade atual do país. Traz o resultado do trabalho de professores de pós-graduação em psicologia, das mais conceituadas universidades brasileiras, e apresenta questões relativas às novas configurações familiares e aos problemas da pós-modernidade. 


MORTE E EXISTÊNCIA HUMANA: Caminhos de Cuidados e Possibilidades de Intervenção", é discutir como a morte faz parte da existência humana e lhe dá sentido, o que explica a primeira parte do título. A segunda parte refere-se a uma preocupação de cuidar de pessoas em situação de perda e morte, de acolher e minimizar dores e sofrimentos nas várias esferas do existir humano. Os capítulos são resultados de pesquisas em que colaboradores falaram de sua história; a coleta de dados e a sua análise e compreensão resultaram em dissertações e teses que foram defendidas no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano do Instituto de Psicologia, tendo sido todas elas aprovadas. Autoras: Ana Mª Barrica; Claudia Fernanda Rodrigues; Marta Cristina Meirelles Ortiz; Silvana Parisi; Carla Silva Santana; Nancy Vaiciunas; Ana Beatriz Brandão dos Santos; Elaine Gomes Reis Alves; Ingrid Esslinger; Marisa moura Verdade. 

AMOR & SEPARAÇÃO - Este livro retrata uma das maiores dores da existência humana: a separação amorosa. A partir do enfoque junguiano, a autora dá voz a essa experiência vivida por mulheres de meia-idade. Fala da sensação de perda da alma, de mágoas e tristezas de traição e solidão. Mas também fala da busca de cicatrização dessas feridas. De fins e recomeços.

A obra descreve um trabalho realizado em grupo utilizando contos, mitos e atividades plásticas e vivências que favoreceu a descoberta de novas possibilidades interiores, o início de um processo de transformação e o reencontro com a alma feminina.

 A perda afetiva é um tema universal, o que torna esta obra de interesse não só para terapeutas, MS também para pessoas que já tiveram de lidar com a separação.

Autora: Silvana Parisi

O SUICÍDIO COMO ESPETÁCULO NA  METRÓPOLE - O “suicídio como espetáculo”, além de se relacionar com a vida, também se relaciona com o tema da metrópole, seus espaços, significados, sua indiferença e identidade, já que é na cidade que o significado de viver vai sendo construído até os seus limites.

 Aos desvendar os percursos, os usos e a caracterização dos espaços de interrupção da vida procurados nas fendas ou nos meios de circulação da metrópole, Fernanda Marquetti nos descreve uma “epidemiologia da cidade e sua relação com os dramas sociais encarnados na vida à procura de uma solução para si própria, ou da vida como um problema contemporâneo”. Ainda nas palavras de Rubens de Camargo Ferreira Adorno: “Uma epidemiologia da cidade naquilo que ela dispõe de cenário à espera de significados”.

Autora: Fernanda Cristina Marquetti

No Final do Corredor é um livro surpreendente desde a sua concepção, na qual a autora, oncologista, se propôs a revelar a visão que os médicos têm de seus pacientes, nesse caso portadores de câncer. Em seus relatos delicados e comoventes, ela mostra as percepções ímpares que um diagnóstico de câncer revela e seu impacto na vida de quem está envolvido, incluindo a si mesma. 
As histórias, todas reais, resgatam o elo perdido nas relações entre médicos e seus pacientes, nas quais o respeito indiscriminado pela vida e o exercício incessante da empatia são os ingredientes essenciais.

NO FINAL DO CORREDOR - é um livro surpreendente desde a sua concepção, na qual a autora, oncologista Ana Lucia Coradazzi, se propôs a revelar a visão que os médicos têm de seus pacientes, nesse caso portadores de câncer. Em seus relatos delicados e comoventes, ela mostra as percepções ímpares que um diagnóstico de câncer revela e seu impacto na vida de quem está envolvido, incluindo a si mesma. 
As histórias, todas reais, resgatam o elo perdido nas relações entre médicos e seus pacientes, nas quais o respeito indiscriminado pela vida e o exercício incessante da empatia são os ingredientes essenciais.



A morte violenta de policiais costuma ser amplamente noticiada. Mas pouco se fala dos que escolhem a si mesmos como o alvo de suas armas. Um drama mais frequente do que se imagina, como afirma a pesquisadora Dayse Miranda, organizadora do livro POR QUE OS POLICIAIS SE MATAM?, resultado de um estudo que contou com a participação de psicólogas da PM do Rio de Janeiro e pesquisadores da UERJ.