Curso: Morte e Desenvolvimento Humano

Morte nas instituições de saúde e educação; Profissionais de Saúde e ducação:

Docente: Maria Júlia Kovács

LIVROS BÁSICOS

KOVÁCS, M.J.(1992)- Morte e Desenvolvimento Humano. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a Morte. Desafio na Formação de Profissionais de Saúde e Educação. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a Morte. Desafio na Formação de Profissionais de Saúde e Educação. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2008) - Org. Morte e existência humana. Caminho de cuidados e possibilidades de intervenção. Rio de Janeiro, Guanabara, Koogan. Capítulos: 1) Viver e conviver com Aids (Ana Maria Baricca); 2. Adolescentes, vidas interrompidas (Cláudia Fernanda Rodriguez); 3. O lugar da mãe no tratamento do câncer (Marta Cristina M. Ortiz); 4. A morte simbólica na menopausa (Silvana Parisi); 5. Envelhecimento, temporalidade e morte nos relatos de idosos (Carla Silva Santana) 6. Ciclo da existência: envelhecimento, desenvolvimento humano e auto-conhecimento (Maria Julia Kovács e Nancy Vaiciunas): 7. Impacto do suicídio. Ataque ao ser (Ana Beatriz Brandão dos Santos); 8. Morte em vida: mutilações e o processo de luto pela identidade perdida (Elaine Reis Alves); 9.  De quem é a vida afinal? Cuidando dos cuidadores (Ingrid Esslinger); 10. Ecologia mental da morte: um novo olhar, uma nova escuta para a Psicologia da Morte. (Marisa Moura Verdade) 11. Educação para a Morte: Desafio na formação de profissionais de saúde e educação (Maria Julia Kovács)

ATITUDES FRENTE À MORTE - OCIDENTE E ORIENTE FRENTE À MORTE 

ARIES, P (1977) – Homem diante da morte. Rio de Janeiro, Francisco Alves

ARIES, P. (1977) – História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

BECKER, E. (1976) - A negação da morte. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

CESAR, B. (2001) - Morrer não se improvisa. São Paulo, Gaia.

EWANS WENTZ, W.Y. (Org.) (1960) - Bardo Thodol. O livro tibetano dos mortos. São Paulo, Pensamento

FEIFEL, H. (1977) - Death and dying in modern America. Death Education 1:  5-14.

FEIFEL, H. (1977) - Death and dying in modern America. Death Education 1:  5-14.

FULTON, R. & OWEN, G. (1987/1988) - Death and society in the twentieth century in America. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 379-395.

GIDDENS, A. (1990) - The consequences of modernity. Cambridge, Polty Press.

GURGEL, A. (2008) - Direitos sociais dos moribundo. Controle social e expropriação da morte. São Luís, Editora da Universidade Federal do Maranhão.

OLIVEIRA, M.F.;CALLIA, M.H.P.(2005) - Reflexões sobre a morte no Brasil. São Paulo, Edit Paulus

PARKES, C.M.; LAUNGANI, P.& YOUNG BILL (Eds.) (1997) - Death and bereavement across the cultures. London, Routledge.

RINPOCHE S. (1999) - O livro tibetano do viver e morrer. São Paulo, Editora Talento e Palas Athena.

BIOÉTICA

BIOÉTICA - Revista Publicada pelo Conselho Federal de Medicina

CHOCHINOV, H.M.; WILSON, K.G.; ENNS, M.; MOWCHUN, N.; LANDER, S.& LEVITT, M. (1995) - Desire for death in the terminally ill. American Journal of Psychiatry, 152:  1185-1191.

CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE “LIFE SUSTAINING TREATMENTS AND VEGETATIVE STATE: SCIENTIFIC ADVANCES AND ETHICAL DILEMMAS – promovido pela Federação Internacional de Médicos Católicos e Pontifícia Academia para Vida (Roma 10-17 de março de 2004). Bioética – Cuidar e Saúde. Mundo da Saúdea, 28 (v.3): 340-346.

DODGE, R.F. (1999) - Eutanásia, aspectos jurídicos. Bioética, 7, no. 1: 113-120.

FABBRO, L. (1999) - Limitações jurídicas à autonomia do paciente. Bioética, 7, no. 1: 7-12.

FRANÇA, G.V. (1999) - Eutanásia: enfoque ético-político. Bioética, 7, no. 1: 71-82

HORTA, M.P. (1999) - Eutanásia- problemas éticos da morte e do morrer. Bioética, 7, no. 1: 27-34.

HUMPHRY, D. (1991) - Final Exit: The practicalities of self deliverance and assisted suicide. Oregon, The Hemlock Society.

KASTENBAUM, R. (1999-2000) - Looking death in the eye. Another challenge from doctor Kervokian. Omega, Journal of Death and Dying, 40 (1): 279-286.

KOVÁCS, M.J. (1998) - Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6 (1): 61-70.

KOVÁCS, M.J. (2003).- Bioética nas questões de vida e morte. Boletim de Psicologia, 14 (2): 95-167.

KOVÁCS, MJ; ESSLINGER, I. (Org.) Dilemas éticos. São Paulo, Loyola, 2008.

KOVÁCS, M.J. (2012). (Coordenadora científica). Reflexões sobre a morte: Dilemas éticos. Mundo da Saúde, 36, v.36(1). Jan. Mar 2012. Centro Universitário São Camilo.

KOVÁCS MJ. Pesquisa com pacientes gravemente enfermos: autonomia, riscos, benefícios e dignidade. Revista Bioética, 2009, 17(2): 309-318.

 

 

LAMB, D. (2001) - Ética, morte e morte encefálica. São Paulo, Office Editora.

LÉPARGNEUR, H. (1987) - O doente, a doença e a morte. Campinas, Papirus.

LÉPARGNEUR, H. (1999) - Bioética da eutanásia - Argumentos éticos em torno da eutanásia. Bioética, 7, (1): 41-48.

MARKSON, E. (1995) - To be or not to be: assisted suicide revisited. Omega, Journal of Death and Dying, 31 (3):  221-235.

MARTIN, L. (1993) - A ética médica diante do paciente terminal. Leitura ético-teológica da relação médico-paciente terminal nos códigos brasileiros de ética médica. São Paulo, Editora Santuário.

MISHARA, B.L. (1999) - Synthesis of research and evidence on factor affecting the desire of terminally ill or seriously chronically ill persons to hasten death. . Omega, Journal of Death and Dying, 39 (1):  1-70.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

PESSINI, L. (1997) - Distanásia. Até quando investir, sem agredir? In: CAMON, V.A. (Org.) A ética na saúde. São Paulo, Pioneira.

PESSINI, L. (1999) - Eutanásia e as religiões (judaísmo, cristianismo, budismo, islamismo). Bioética, 7, (1): 83-100.

PESSINI, L. (2001) - Distanásia. Até quando prolongar a vida? São Paulo, Editora do Centro Universitário São Camilo/Loyola.

PESSINI, L. (1996) - Fundamentos da bioética. São Paulo, Paulus.

RAMOS, A.C. (2003)  Eutanásia: aspectos éticos e jurídicos. Florianópolis, OAB/SC

SEGRE, M. &COHEN, C. (Org.) (1995) - Bioética. São Paulo, Edusp.

SEGRE, M. (1986). Eutanásia: aspectos médicos-legais. Revista da Associação Médica Brasileira, 32 (77/78):  141-142.

SEGRE, M. (1999) - Atualidades. Bioética, 7, (1): 145.

CUIDADOS PALIATIVOS

CAPONERO, R. & BIFULCO V.A. (2016). Cuidados Paliativos - Conversas sobre a vida e a morte na saúdeSão Paulo - Editora Manole

OLIVEIRA, R.A. (Org.) (2008) Cuidado Paliativo. Grupo de trabalho multidisciplinar – Cremesp. São Paulo

BERTANCHINI, L.; PESSINI, L. (Org.) (2011). Encanto e responsabilidade no cuidado da vida. São Paulo, São Camilo, Paulinas.

DOR

CARVALHO, M.M.J. (Org.) – (1999) – Dor: Um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus.

 

EMERGENCIAS E DESASTRES

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2015) A intervenção psicológico em emergências. Fundamentos para uma prática. São Paulo: Summus Editorial.

 

ENVELHECIMENTO

BEAUVOIR, S. - A velhice. São Paulo, Martins Fontes.


BIANCHI, H. (1993) - O eu e o tempo. Psicanálise do tempo e do envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

GOLDFARB, D.C. (1998) – Corpo, tempo e envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS MJ. Doença e morte no imaginário do homem velho. A terceira idade, 2009, Vol 20 (46): 62-73.

ESPIRITUALIDADE

PESSINI, L. & BARCHIFONTAINE, C.P. (2008). Buscar sentido e plenitude de vida. Bioética, saúde e espiritualidade. São Paulo, Paulinas, São Camilo.

PESSINI, L. (2010). Espiritualidade e arte de cuidar.: O sentido da fé para a saúde. São Paulo, São Camilo, Paulinas

LUTO

ABERASTURY, A. (1984). A percepção da morte na criança e outros escritos. Porto Alegre, Artes Médicas.

ABERASTURY, A. e KNOBEL, M (1973). - La adolescencia normal. B.A., Edit. Paidós, .

ARIES, P. (1977) - A história da morte no Ocidente. R.J., Francisco Alves.

BLACK, D. (1998) - Bereavement in childhood. In PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 28-35.

BOSS, P. (1991) - Ambiguous loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 164-175.

BOWEN, M. (1991) - Family reaction to death. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 79-93

BOWLBY, J (1985) -Apego, perda e separação. S.P., Martins Fontes.

BROMBERG, M.H.P.F. (1995) - A psicoterapia em situações de perdas e luto. Campinas, Editorial Psy.

BRUN, D. (1996) -  A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CARUSO, I. (1982) - A separação dos amantes. S.P., Diadorim Cortez.

CARVALHO, V. A. (1996/2011) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CASELLATO, G. (org.) (2005). Dor silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. Campinas, Livro Pleno.

CASELLATO G. (Org.) (2015). O resgate da empatia. Suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus Editorial.

CORR, C. A. (1998/1999) - Enhancing the concept of disenfranchised grief. Omega, Journal of Death and Dying, 38 (1):  1-20.

DOKA, K. (1989) - Disenfranchised grief - recognizing hidden sorrow. Nova York, Lexington Books.

FAGIN, L. (1998) - Occupational loss. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 70-80.

FONSECA, J.P. (2004).Luto antecipatório. Campinas, Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (2002). Estudos avançados sobre o luto. Campinas, Editorial Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2005). Nada sobre mim sem mim. Campinas, Edit. Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) 2010. Formação e rompimento de vínculos. São Paulo, Summus.

FREUD, S (1974) - Luto e melancolia. (1917(1915)). In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. R.J., Imago, Vol 14.

FUKUMITSU,K.O. Uma visão fenomenológica do luto: um estudo sobre as perdas no desenvolvimento humano. Campinas: Editora Livro Pleno, 2004

GOLDMAN, L. Breaking the silence. A guide to help children with complicated grief – Suicide-homicide-Aids-Violence and Abuse. Taylor e Francis. 1996.

IMBER-BLACK, E. (1991) - Rituals and the healing process. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 207-223.

IMBER-BLACK, E. Os segredos na Família e na terapia familiar. Porto Alegre. Artes Médicas, 1994, CAP. 7: Morte: o mais perturbador segredo familiar (de Lorraine Wright e Jane Nagy).

KASTENBAUM, R. (1969) - Death and bereavement in later life. In: KUTCHER A.H. (Ed.). Death and bereavement. New York, Springfield: 28-54.

KLASS, D.: Silverman, P.; Steven, N.; Continuing Bonds – New Understandings of Grief, Taylos e Francis, 1996.

KLEIN, M - O luto e a sua relação com os estados maníaco depressivos. In: KLEIN, M. (1981) - Contribuiçðes à psicanálise. S.P., Mestre Jou.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2007). Perdas e o processo de luto. INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp: 217-238.

MAGUIRE, P. & PARKES, C.M. (1998). Surgery and loss of body parts. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 47-56

MAZZORRA, L. & TINOCO, V. (org). (2005). Luto na infância. Intervenções psicológicas em diferentes contextos. Campinas, Edit Livro Pleno.

MÉTRAUX- J.C. (2004/2011). Lutos coletivos e criação social. Curitiba, Editora UFPR.

PARISI, S. (2012). Amor & Separação: Reencontro com a alma feminina. São Paulo: Vetor.

PARKES, C.M. (1987/1988) - Research: Bereavement. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 365-377.

PARKES, C.M. & MARKUS, A. (1998) - Coping with loss. Londres, BMJ Books.

PARKES, C.M. (1986) – Bereavement studies of grief in adult life.  Londres, Penguin Books.

PARKES, C.M.; LAUNGANI,P. & YOUNG, B. (1997) - Death and bereavement across cultures. Londres, Routledge.

PARKES, C.M. (1998). Luto. Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo, Summus.

PARKES, C.M. (2009). Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo, Summus.

PAULA, B. de (2011). Pedaços de nós: luto, aconselhamento pastoral e esperança. São Paulo: ASTE: Editeo. Editora da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

PITT, B. (1998) - Loss in later life. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p 90-98.

RAIMBAULT, G. (1979) - A criança e a morte. R.J., Francisco Alves.

RANDO, T. (1984) - Grief, dying and death. Clinical interventions. Champaign, Illinois, Research Press.

RANDO, T. ( 1992/1993) - The increase prevalence of complicated mourning. The onslaught is just beginning. Omega, Journal of Death and Dying, 28 (11): 43-59.

RANDO T. (1993) - Treatment of complicated mourning. Champaign, Illinois, Research Press.

RANGEL,A. P.F. (2008). Amor infinito. História de pais que perderam seus filhos. São Paulo, Vetor.

ROLLAND, J. (1991) - Helping families with anticipatory loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 144-163.

SCHACHTER, S. (1992/1993). Adolescents experiencies with death of a peer. Omega, Journal of Death and Dying, 24(1), pp:1-11.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co.

WEEKS, D. & JOHNSON, C. (1992) - A second decade of high school death education. . Death Studies, 16: 269-279.

WORDEN, J.W. (1998) - Terapia do luto. Porto Alegre, Artes Médicas.

WRIGHT, L. & NAGY, J. (1994) - Morte: o mais perturbador segredo familiar. In: IMBER-BLACK, E. - Segredos na família e terapia familiar. Porto Alegre, Artes Médicas, p. 128-146.

MORTE E CINEMA

BOTTINI, M.E. 2015. - No cinema e na vida: a difícil arte de aprender a morrer. Imprensa livre - Porto Alegre.

 

MORTE E DESENVOLVIMENTO HUMANO

AMORIM, L.C.D. (2011) Autismo e Morte - Rio de Janeiro - Ribio

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J. (1998) – Adolescência: vida ou morte. São Paulo, Editora Ática.

JUNG, C.G. (1960) - The soul and death. Collected works (Vol. 8), Londres, Routledge and Keagan Paul

KOVÁCS, M.J.- A criança e a morte. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 591-598

TORRES, W. (1999) – A criança diante da morte. São Paulo, Casa do Psicólogo.

MORTE E ESCOLA

KOVACS, M.J. (2010). A morte no contexto escolar: Desafio na formação de educadores. In: FRANCO, M.H.P. (Org.). Formação e rompimento de vínculos: Dilema das perdas na atualidade. Pp. 145-168.

 

MORTE E LITERATURA

ALBOM, MITCHi. A última grande lição. O sentido da vida. RJ. Sextante, 1998.

BAUBY, J.D. (1997). O escafandro e a borboleta. São Paulo, Martins Fontes.

BEAUVOIR, S. (1965). Uma morte muito suave. Editora Nova Fronteira

BEATTIE, M. Lição de amor – Um testemunho comovente sobre a superação da dor e a reconquista da felicidade. São Paulo, Ed. Best Seller, 1994.

FERREIRA, E.A. (2010). Minha mãe se matou sem dizer adeus. São Paulo: Record.

GENOVA, L. Para sempre Alice. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2007. (Relato de uma pessoa com doença de Alzheimer)

GRANJA, A – Sem ti Inês.. Algragide, Portugal – 2010.

KEIZER, B. (2008). Dançando com a morte. São Paulo, Globo.

LUFT. L. EXILIO, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______. O quarto fechado, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______ O lado fatal, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

CUNNINGHAM, M. As horas.

MIGUÉS, J.R. (1959). Um homem sorri à morte – com meia cara. Lisboa, Editorial Stampa.

SARAMAGO, J. Intermitências da morte.

SERVAN-SCHREIBER, D. (2011). Podemos dizer adeus mais de uma vez. Rio de Janeiro: Objetiva.

VARELLA, D. (2004). Por um fio.

VARELLA, D. (2007). O médico doente. São Paulo, Companhia das Letras.

VILA-MATAS – H. Suicídios exemplares.

WILBER, K. (2007). Graça e coragem. Espiritualidade e cura na vida e morte de Treya Killam Wilber. São Paulo, Gaia.

MORTE E HOSPITAL

CAMON, V.A.A. (1984) - Psicologia hospitalar. Atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo, Traço.

CAMON, V.A. (Org.) (1992) - O doente, a psicologia e o hospital. São Paulo, Pioneira.

CAMON, V. A. (Org. ) (2000) - Psicologia. Um novo significado para a prática clínica. São Paulo, Pioneira.

ESSLINGER, I. (2004). De quem é a vida afinal? Descortinando os cenários da morte no hospital. São Paulo, Casa do Psicólogo.

QUINTAS, J. (2013) Nos corredores de um hospital. A experiencia de ser psicóloga numa instituição pública de saúde. Recife. Edições Bagaço.

OLIVEIRA, MF. E Ismael, S (orgs) Rumos da Psicologia Hospitalar em Cardiologia - São Paulo - Papirus - 1995

PITTA, A. Hopital, dor e morte como ofício. São Paulo, Hucitec, 1990.

PACIENTES TERMINAIS - MOVIMENTO HOSPICE - CUIDADOS PALIATIVOS

ARIÈS, P. (1977) – A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Callanan, M. e Kelley, P.  Gestos finais – Como compreender as mensagens, as necessidades e a condição especial das pessoas que estão morrendo. São Paulo, Nobel, 1994.

CARVALHO, V. A. (1996) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CLARK, D. and Seymour, J.; Reflections on Palliative Care. Open Press University, 1999.

FRUDE, N. (1991) – Understanding family problems: A psychological approach. Chichester, John Wiley & Sons.

GOTAY, C. C, (1993)  - Models of terminal care. Review of the research literature. Journal of integrative medicine, Vol. 6 (3):  131-141.

HENNEZEL, M. (1996) – La muerte intima  Barcelona, Plaza e Janes.

HENNEZEL, M. (2001) - Nós não nos despedimos. Lisboa, Editorial Notícias.

KASTENBAUM, R. & WEISMAN, A.D. (1968) - The psychological autopsy: A study of the terminal phase of life. Community Mental Health Journal Monograph, 4. Behavioural Publications.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6:  61-69.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Avaliação da qualidade de vida em pacientes oncológicos em estado avançado da doença.. In: CARVALHO, M.M.J (Org.) – Psico-oncologia no Brasil: Resgatando o viver. São Paulo, Summus: pp159-185.

KOVÁCS, M.J.  (1999) – Atendimento psicológico em unidades de cuidados paliativos. Revista Brasileira de Medicina. 56 (8):  786: 795

KOVÁCS, M.J. (1999) - Pacientes em estágio avançado da doença, a dor da perda e da morte. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 318-337.

KOVÁCS, M.J.; KOBAYASHI, C.; SANTOS, A.B.B. & AVANCINI, D.F.C. (2001) - Implantação de um serviço de plantão psicológico numa unidade de cuidados paliativos. Boletim de Psicologia, vol 51 (114): 1-22.

KOVÁCS, M.J. (2003. – Comunicação nos programas de cuidados paliativos. Mundo da saúde, 27 (27): 71-80.

KOVÁCS, M.J (2007). Contribuições de Elizabeth Kübler-Ross nos estudos sobre a morte e o morrer. In INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp.207-216.

KUBLER-ROSS (1969)- Sobre a morte e morrer. São Paulo, Martins Fontes.

KÜBLER-ROSS, E. (1975 ) – Morte: Estágio final da evolução. Rio de Janeiro, Record.

PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C. (1994) – Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. (2006). Novas perspectivas em cuidados paliativos: ética geriatria, gerontologia,comunicação e espiritualidade. In PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. Bioética e longevidade humana. São Paulo, S. Camilo, Loyola, pp: 353-392.

PIMENTA, C.A.M. (1999) - Fundamentos teóricos da dor e de sua avaliação. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 31-46.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

Randall, F.; Downie, R.S.; Palliative care Ethics – A Companion for all Specialists. Oxford University Press, 1999.

SAUNDERS, C. (1991) – Hospice and palliative care. An interdisciplinary approach. Londres, Edward Arnold.

SAUNDERS, C. (1993) - Prefácio - In: DOYLE, D.; HANKS, G. & MC. DONALD, N. Oxford textbook of palliative care. Oxford, Oxford University Press.

SAUNDERS, C. (1996) - A personal therapeutic journey. Brittish Medical Journal, 313:  274-275.

SAUNDERS, C. e KASTENBAUMR.;  Hospice care on the International Scene Springer. Publishing Company, Inc., 1997.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

YALOM, I. (2008) Mirar al sol. La superacion del miedo a la muerte. Buenos Aires, Emecé.

ZAIDHAFT, S. (1990) – Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

ZIEGLER, J.(1977) -  Os vivos e a morte. Rio de Janeiro, Zahar.

Periódicos para consulta geral:

Omega: Journal of Death and Dying

Life and Threatening Behaviors Journal

Temas em Psico-Oncologia

Journal of Palliative Care.

O mundo da saúde


VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

YALOM, I. (2008) Mirar al sol. La superacion del miedo a la muerte. Buenos Aires, Emecé.

ZAIDHAFT, S. (1990) – Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

ZIEGLER, J.(1977) -  Os vivos e a morte. Rio de Janeiro, Zahar.

Periódicos para consulta geral:

Omega: Journal of Death and Dying

Life and Threatening Behaviors Journal

Temas em Psico-Oncologia

Journal of Palliative Care.

O mundo da saúde


PSICO-ONCOLOGIA

CARVALHO, V.A; FRANCO, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; LIBERATO, R.; MACIEIRA, R.C.; VEIT, M.T.; GOMES, M.J.B; BARROS, L.H.C. (2008) Temas em Psico-Oncologia. São Paulo, Summus

 ARNETZ, B (1983).  - Psychophisiological Effects of social understimulation. In: Old Age. Laboratory for Clinical Stress Research, Karolinska Institutde and National Institute for Psychosocial Factor in Health, Stockholm..

BALTRUSCH, H.J.F., SEIDEL, J., STAMGEL, W., WALTZ, M.E (1988). - Psychosocial stress, aging and cancer. Annals of the New York Academy of Sciences,  Vol 521.

BERNARD C.(1959) - Introdução à medicina experimental. Lisboa, Guimarães, Editores.

CARVALHO, M.M.J (Org.)(1994)- Introdução à Psiconcologia. Campinas, Editorial Psy.

CARVALHO, M.M.J. (Org.) (1998) – Psico-Oncologia no Brasil. São Paulo, Summus.

DATTORE, P.J., SCHONTZ, F. C., COYNE,L. (1988) - Premorbid personality differentiation of cancer and noncancer group: a test of the hypothesis of cancer proneness. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 48 : 388-394.

DEGORATIS, L.R., ABELOFF, M.D.A., MELISARATOS, N. (1979) - Psychological coping mechanisms and survival time in metastatic breast cancer. JAMA, 242, :1504-1508.

FOX, B.H. (1981) - Psychosocial factor and immune system in human cancer. In: ADER, R - Psychoneuroimmunology. N.Y. Academic Press.


.

GREER, S., MORRIS, T. PETTINGALE, K.W (1979)- Psychological response to breast cancer: effect on outcome. The Lancet, Oct 13 :785-787.

LOCKE, S., COLLIGAN, D.(1987) - The healer within. N.Y. New American Library.

ORTIZ, M.C. (2003). À margem do leito. A mãe e o cancer infantile. São Paulo, Arte & Ciência.

PERINA, E. & NUCCI, N. (Org). (2005). As dimensões do cuidar em psico-oncologia pediátrica. Campinas, Edit. Livro Pleno.

REDD.     W.H., JACOBSEN, P.B. (1988) - Emotions and cancer: new perspetives on an old question. Cancer, 62 :1879-1879.

SIMONTON, O.C., MATTHEWS-SIMONTON, S., CREIGHTON, J (1977). - Com a vida de novo. S.P., Summus.

Temas em Psico-Oncologia -(1996) Publicações do III Encontro e I Congresso Brasileiro de Psico-Oncologia. São Paulo, 1996.

THOMAS, P.D. GOODWIN, J.M., GOODWIN, J.S (1985). - Effect of social support on streskks, related changes in cholesterol level, uric and immune funcion in an elderly sample. Journal Psychiatry, 142 : 735-737.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE E A MORTE

 

BENOLIEL J.Q. (1987/1988) - Health care providers and dying patients: critical issues in terminal care. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 341-363.

Boemer, M. A morte e o morrer. São Paulo, Cortez, 1989.

CARVALHO, V.A.C. (1996) - A vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO, V.A.C. - Vida e morte: Laços da Existência. São Paulo, Casa do Psicólogo: 35-76.

CASSORLA, R.M.S. (1991) - Como lidamos com o morrer - Reflexões suscitadas no apresentar este livro. In: CASSORLA, R.M.S. (Org.) - Da morte: estudos brasileiros. Campinas, Papirus: 17-24.

Cassorla, R.S. Da morte: estudos brasileiros. Ed. Papirus, 1991ª Principalmente o capítulo 2: o médico lidando com a morte: aspectos da relação médico-paciente terminal em cancerologia (de Terezinha Eduardes Klafke).

Esslinger, I. As representações do espaço da morte no curso de Psicologia: um estudo exploratório. Dissertação de mestrado, USP, 1995.

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J.; VAICIUNAS, N. (2004). Cuidando do cuidador no contexto hospitalar. O mundo da saúde, 28 (3): 277-283.

Kovács, M.J. A questão da morte e a formação do Psicólogo. Tese de doutorado. USP, 1989.

KOVÁCS, M.J. (1991) - Pensando a morte e a formação do psicólogo. In: CASSORLA, R.M.S. - Da morte: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Kubler-Ross, E. Perguntas e respostas sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes. 1987.

Levinton, D. -  Education for Death or Death Becomes Less a Stranger. In: OMEGA, Vol. 6 (3), 1975, pg. 183-191.

Montaigne, M.  De como filosofar e aprender a morrer – Em: Montaigne, Ensaios, Cap. XX, pg. 48 (Os Pensadores), vol XI, São Paulo, Ed. Abril, 1972.

SHIMIZU, H. E. (2000) - As representações sociais dos trabalhadores de enfermagem não enfermeiros (técnicos e auxiliares de enfermagem) sobre o trabalho em Unidades de Terapia Intensiva em um hospital-escola. São Paulo, Escola de Enfermagem USP. Tese de doutorado.

TAMAYO, M.R.. (1997) Relação entre a síndrome de Burnout e os valores organizacionais no pessoal de enfermagem de dois hospitais públicos. Brasília, Instituto de Psicologia da UNB. Dissertação de mestrado.

TORRES, W.C. E GUEDES.W.G (1987). - O psicólogo e a terminalidade. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 39(2):  29038.

Omega, Journal of Death and Dying (1975) - o número completo

ZAIDHAFT, S. (1990) - Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

SUICÍDIO

ABADI, M - Em torno de la muerte. Notas psicanaliticas sobre 1 fantasia clave. In: ABADI, M (1973). - La fascinacion de la muerte. B. A., Edit. Paidós.

ALVAREZ, A.(1971) - O deus selvagem. São Paulo, Companhia das Letras.

ALVES, R. (1991) - O morto que canta. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus, p. 11-16.

BYINGTON, C (1979). - Aspectos psiquiátricos do suicídio. Boletim de Psiquiatria, vol 12 (1-4), : 13-32.

CAMUS. A. - O mito de Sísifo.

CASSORLA, R. M. S (1984) - O que é suicídio. S.P., Brasiliense.

CASSORLA, R.M.S(1984). - Características de famílias de jovens que tentam suicídio em Campinas Brasil. Um estudo comparativo com jovens normais e psicóticos. Acta Psiquiátrica e Psicológica da America Latina, 30 : 125-134.

CASSORLA, R.M.S.(1991) (Org) - Do suicídio: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus,

SAMPAIO, D. (1991) - Ninguém morre sozinho. O adolescente e o suicídio. Lisboa, Editorial Caminho.

DIAS, M.L (1991). - Suicídio. Testemunhos de adeus. S.P., Brasiliense.

DURKHEIM, E. (1971) - El suicidio. Buenos Aires, Schapire Edit.

EBERT. B.W.(1987) - Guide to conduct a psychological authopsy. Professional Psychology Research and Practice, Vol 18 (1) :52-56.

FEIJÓ, M. (1998) – Suicídio entre a razão e a loucura. São Paulo, Editorial Lemos.

FENSTERSEIFER, L.;WERLANG,B.S.G. (2006). Comportamentos auto-destrutivos. Subprodutos da modernidade?.Psicologia Argumento. P. 35-44

FRIEDRICH, S. Tentativa de suicídio na infância. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 1989.

FUKUMITSU, K.O. Suicídio e Gestalt-terapia. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2012.

______. Suicídio e Luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2013.

GARMA, A. - Los suicídios. In: ABADI, M. (1973) - La fascinacion de la muerte. B.A., Edit. Paidós.

GIORDANO, V. (1991) - Subsídios para a profilaxia do suicídio através da educação. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus. P. 167-188.

GRUNSPUN, H. (1991) - Fatores suicidógenos como avaliação do risco de suicídio em adolescentes. CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus.p. 117-148.

GUILLON, C. e BONNIEC, Y (1984). - Suicídio, modo de usar. S.P., EMW Edit.

GUSTEIN,S.E. Suicídio de adolescentes: a perda e a reconciliação. Em WALSH,F. & MC GOLDRICK, M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre, Artmed, 1998.

JAMISON, K.R. (2002) – Quando a noite cai. Rio de Janeiro, Gryphus,

KALINA, E. & KOVADLOFF, S. (1983) - Cerimonias da destruição. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

KASTENBAUM , R. e AISENBERG, R. (1983) - Psicologia da morte. S.P., Pioneira..

KNOBEL, M. - Sobre a morte e o morrer e o suicídio. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus, p. 27-40

KOVÁCS, M.J. (1992) - Comportamentos autodestrutivos e o suicídio. In: KOVÁCS, M.J. (Org. ) - Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo, p.165-187.

KUCZYNSKI, E. – Suicídio. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 569-576

LAUFER, M. (Coord.). O adolescente suicida. Lisboa, Climepsi Editores, 2000.

LEVY, M. (1979) - Introdução ao estudo do suicídio. Boletim de Psiquiatria., Vol 12 (1-4) :1-12.

MARTINS, M.F. A tentativa de suicídio adolescente – da clínica às ciências sociais e humanas. Porto, Edições Afrontamento, 1990.

Martuscello, C. Suicídio: percepção e prevenção. Rio de Janeiro, Cultura médica, 1993.

MARQUETTI, F.C. (2011). O suicídio como espetáculo na metrópole. São Paulo, Editora FAP-UNIFESP.

MELEIRO, A.; TENG, C.T.;WANG, Y.P. Suicídio – estudos fundamentais. São Paulo, Segmento Farma, 2004.

MENNINGER, K. (1965) - Eros e Thanatos. O homem contra si próprio. São Paulo, Ibrasa.

NOGUEIRA, A.M.P. Suicídio, espelho do narcisismo – um estudo teórico-clínico a partir de Freud. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 1997.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

POMERAUX, X. L `adolescent suicidaire. Paris, Dunod, 1996.

SCHNEIDMAN, E. & FARBEROW, N. (1959) - Suicide and death. In: FEIFEL, H. (Edit.) - Meanings of death. New York, Mc Graw Hill.

SOUZA, E.L.A. Os eus nos textos escritos de adolescentes. Em: Adolescência entre o passado e o futuro. Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Artes e Ofícios Ed, 1997.

TEIXEIRA, C.M.F.S. Tentativa de suicídio na adolescência: dos sinais de aviso às possibilidades de prevenção. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 2003.

TUBERT, S. A tentativa de suicídio como rito de iniciação. In: A morte e o imaginário na adolescência. Rio de Janeiro, Companhia de Freud, 1999.

WERLANG, B.G. & BOTTEGA, N.J. (organizadores) (2004). Comportamento suicida.. Porto Alegre, Artmed.

LIVROS SOBRE MORTE – VÁRIOS TEMAS

INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius.